Linha do Tempo das Vacinas


 

Recém-nascidos Crianças  Adolescentes Adultos Idosos

 


HEPATITE B

A Hepatite B é uma doença viral grave e altamente contagiosa que atinge o fígado, podendo causar além de diversas formas de hepatite, câncer de fígado e cirrose. A transmissão do vírus da hepatite B ocorre por diversas formas: via sexual, contato com sangue e outros líquidos corporais, transmissão da mãe para o bebê durante a gravidez, etc.

Esquema vacinal:
1ª dose ao nascer, de preferência ainda na maternidade, nas 12 primeiras horas de vida;
2ª dose com 2 meses de idade;
3ª dose com 6 meses de idade;
Prematuros com peso inferior a 2 kg ou idade gestacional menos que 33 semanas – 04 doses;
Esquema: 0, 2, 4 e 6 meses

Possíveis reações:
Dor, calor, vermelhidão, edema no local da aplicação de 24 a 72 horas após vacinação.

Via de aplicação:
Intramuscular


Crianças

ROTAVIRUS

Rotavírus é um vírus que causa doença gastrointestinal e é um dos principais responsáveis pelas diarreias nas crianças, que podem evoluir para uma desidratação grave.

Indicação: Bebês a partir de 6 semanas de vida, SENDO QUE A PRIMEIRA DOSE PODE SER FEITA NO MÁXIMO ATÉ 14 SEMANAS DE VIDA.

Contraindicações: Imunodeficiência congênita ou adquirida; uso de imunossupressores (quimioterapia, radioterapia); reação alérgica grave a um dos componentes da vacina; doença gastrintestinal crônica; malformação congênita do trato digestivo; história prévia de invaginação (intussuscepção) intestinal, quadro febril agudo moderado a grave.

Esquema vacinal: 1° dose aos 2 meses, podendo ser realizada até os 3 meses e 15 dias; 2° dose aos 4 meses, podendo ser realizada até os 5 meses e 15 dias; 3° dose aos seis meses, podendo ser realizada até os 7 meses e 29 dias; O intervalo mínimo entre as doses é de 30 dias. Se a criança cuspir, regurgitar ou vomitar após a vacinação, não repetir a dose.

Possíveis reações: Sintomas gastrointestinais leves.

Via de aplicação: Oral

HEXAVALENTE ACELULAR

Proteção contra a difteria, tétano e coqueluche. A vacina acelular é menos reatogênica do que a vacina de células inteiras dos postos de saúde.

Indicação: A partir de 6 semanas de vida aos 7 anos de idade.

Contraindicações: Crianças a partir de 7 anos de idade; hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 7 dias após vacinação imunização prévia da vacina com o componente pertussis (coqueluche); alergia grave (anafilaxia) a componentes da vacina.

Esquema vacinal: A vacina Hexavalente (difteria, tétano, coqueluche, haemophilus influenzae b, poliomielite e hepatite B) em 2 doses – a primeira dose com 2 meses de idade e a segunda dose com 6 meses. A vacina Pentavalente (difteria, tétano, coqueluche, haemophilus influenzae b e poliomielite) em duas doses – a primeira dose com 4 meses e o primeiro reforço com 15 meses. O segundo reforço deve ser realizado aos 4 anos de idade com a vacina dTpa + pólio (difteria, tétano, coqueluche e poliomielite). Após isso, reforço de 10 em 10 anos com a vacina DT(dupla do tipo adulto) ou, preferencialmente, com a vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto).

Possíveis reações: Febre e reações locais (dor, vermelhidão e edema) são as mais comuns.

Raramente pode ocorrer: irritação, choro intenso, síndrome hipotônica-hiporresponsiva.

Apresentações: dTpa + IPV (tríplice bacteriana + pólio inativada); Pentavalente Acelular - DTPa + Hib + IPV (tríplice bacteriana + haemophilus influenzae b + pólio inativada) e Hexavalente Acelular- DTPa + Hib + IPV + HB (tríplice bacteriana + haemophilus influenzae b + pólio inativada + Hepatite B)

Via de aplicação: Intramuscular

PNEUMOCÓCICA

A vacina pneumocócica conjugada também conhecida como Prevenar 13 valente conjugada protege contra doenças pneumocócicas causadas pelo Streptococcus pneumoniae ou pneumococo. Essa bactéria é uma das principais causas de doenças importantes como: Meningite, pneumonia, septicemia, otite média e sinusite. Qualquer pessoa pode contrair as doenças pneumocócicas em qualquer idade.

Indicação:Crianças a partir de 6 semanas de vida, adolescentes, adultos e idosos, sem limite de idade.

Esquema vacinal: Crianças de 6 semanas de vida a 6 meses de idade: três doses com intervalo de 2 meses entre elas (de preferência aos 2, 4 e 6 meses de idade) e reforço entre 12 e 15 meses (intervalo mínimo de 2 meses de idade) Crianças de 7 meses a 11 meses de idade: duas doses com intervalo de 2 meses entre elas e reforço entre 12 e 15 meses (com mínimo de 2 meses da última dose) Crianças de 12 meses a 23 meses de idade: duas doses com intervalo de 2 meses entre elas, sem necessidade de reforço A partir de 24 meses de idade, adolescentes, adultos e idosos – dose única Crianças a partir de 2 anos de idade portadoras de doenças crônicas que justifiquem, pode ser necessário complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23).

Possíveis reações: Dor, vermelhidão e enduração local. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade.

Via de aplicação: Intramuscular

MENINGOCÓCICA C

Proteção contra as meningites causadas pelo meningococo tipo C.

Indicação: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia grave a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Crianças de 2 meses a 6 meses de idade: primeira dose o mais precocemente possível a partir de 2 meses de vida, a segunda dose 2 meses após a primeira. Pode ser utilizada nos reforços de 12-15 meses e dos 5 e 11 anos de idade, na impossibilidade de utilização da vacina meningocócica ACWY. Reforços posteriores deverão ser avaliados por médicos, em situações de risco.

Obs: quando a vacinação é iniciada fora da faixa etária dos seis primeiros meses de vida, o esquema de vacinação pode sofrer alterações.

Possíveis reações: Dor, vermelhidão, enduração local, febre e irritabilidade.

Via de aplicação: Intramuscular

MENINGOCÓCICA ACWY

Proteção contra infecções graves causadas pelos meningococos tipo A, C, W e Y (meningite, meningococcemia).

Indicação: No Brasil, três vacinas meningocócicas conjugadas estão licenciadas para crianças: menACWY-TT (Nimenrix) a partir de 6 semanas de vida; menACWY-CRM (Menveo), a partir dos 2 meses de idade e menACWY-D (Menactra) a partir dos 9 meses de idade. As sociedades brasileiras de Imunizações e de Pediatria recomendam a vacina meningocócica ACWY preferencialmente no esquema de vacinação infantil (aos 3 e 5 meses de idade) com a menACWY-TT (Nimenrix) ou menACWY-CRM (Menveo), bem como para os três reforços: de 12 a 15 meses, dos 5 a 6 anos e aos 11 anos de idade (ou cinco anos após a última dose) , tendo em vista a queda dos títulos de anticorpos protetores. Crianças vacinadas com a Meningocócica C podem se beneficiar com o uso da vacina meningocócica ACWY, a fim de ampliar a proteção, respeitando-se um intervalo mínimo de um mês da última meningocócica C. menACWY-D (Menactra) dos 9 a 23 meses são em 2 doses com intervalo de 3 meses e a partir de 24 meses de idade, dose única.

Contraindicações: Apenas as comuns a todas as vacinas: alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Três doses no primeiro ano de vida (aos 3, 5 e 7 meses de idade), com doses de reforço entre 12-15 meses e aos 5 e 11 anos. Para adolescentes: duas doses com intervalo de 5 anos. Para adultos: dose única, mas outras doses de reforço poderão ser recomendadas a critério médico, a partir da análise de risco (epidemias, surtos etc.).

Possíveis reações: Dor local, calor, enduração, vermelhidão nas 24/72 horas seguintes à aplicação. Podem ocorrer febre e dor de cabeça.

Via de aplicação: Intramuscular.

MENINGOCÓCICA B

Proteção contra doença meningocócica invasiva (meningite, meningococcemia) causada pelo meningococo do tipo B. Indicação: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes e adultos até 50 anos de idade.

Contraindicações: Apenas as contraindicações gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Crianças de 3 meses a 5 meses de idade: duas doses com intervalo de 2 meses entre elas (de preferência aos 3 e 5 meses de idade) e reforço entre 12 e 15 meses (intervalo mínimo de 6 meses da última dose); Crianças de 6 a 11 meses de idade: duas doses com intervalo de 2 meses entre elas e reforço entre 12 e 15 meses de idade (intervalo mínimo de 2 meses da última dose); Crianças de 12 a 23 meses: duas doses com intervalo de 2 meses entre elas e reforço de 12 a 23 meses após a última dose; Crianças a partir de 24 meses, adolescentes e adultos: duas doses com intervalo mínimo de 1 mês entre elas, sem necessidade de reforço; A vacinação pode ser antecipada para os 2 meses de vida. Nesse caso, são recomendadas três doses, com intervalo mínimo de um mês, e uma dose de reforço entre os 12 e 15 meses, com intervalo de seis meses em relação às doses do esquema primária.

Possíveis reações: Dor, vermelhidão, inchaço, calor no local da aplicação e febre, principalmente nas seis primeiras horas após a vacinação, que geralmente regride em 72 horas.

Via de aplicação: Intramuscular.

INFLUENZA

Proteção contra infecções causadas por vírus influenza (gripe) e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 6 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína de ovo.

Esquema vacinal: Crianças de 6 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Crianças de 3 a 8 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Adultos e crianças a partir de 9 anos: dose única anual.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação.

Via de aplicação: Intramuscular.

FEBRE AMARELA

A febre Amarela é uma doença infecciosa transmitida por mosquito (Aedes aegypti) e ocorre exclusivamente na América Central, América do sul e na África.

Indicação: Rotina para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos em áreas endêmicas. Para controle de surto ou situação de alto risco, a vacinação de crianças com idade entre 6 e 8 meses pode ser considerada pelo médico; Para viajantes que se dirigem para áreas endêmicas ou em que estejam ocorrendo casos em humanos epizotias (casos em macacos) , a partir de 9 meses de idade; Há precauções especiais para a administração em indivíduos de 60 anos de idade ou mais, gestantes e pessoas com comprometimento imunológico (neste casos, cabe ao médico avaliar se o risco de doença é maior que o risco de eventos adversos graves).

Contraindicações: Mulheres amamentando até que seus bebês completem 6 meses de vida, imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade (anafilaxia) ao ovo, a qualquer componente da vacina ou após dose anterior de vacina contra a febre amarela.

Esquema de doses: Primeira dose aos 9 meses de idade e reforço aos 4 anos de idade. Crianças ou adolescentes que receberam apenas 1 dose antes dos 5 anos de idade, devem fazer o reforço independente da idade. Crianças ou adolescentes que receberam a primeira dose após os 5 anos de idade, não há necessidade de reforço.

Possíveis reações: Na maioria dos casos são reações locais, podendo também ocorrer dor de cabeça e mal-estar, em cerca de 2 a 4 % dos vacinados, com menor frequência em crianças. Reações graves (doença viscerotrópicia ou neurotrópica, anafilaxia) são raras: entre 2007 e 2012, no Brasil, aconteceram 0,2 caso de doença neurológica para cem mil vacinados(principalmente quando se tratava de primeira dose em idosos) e 0,04 caso de doença viscerotrópica em cem mil vacinados.

Via de aplicação: Subcutânea.

CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO E PROFILAXIA (CIVP): Para obter o CIVP, o indivíduo deverá ser vacinado no mínimo 10 dias antes de sua viagem para estar protegido contra a febre amarela.. A OMS alterou sua recomendação em 2013: basta comprovar pelo CIVP uma dose aplicada na vida.

TETRA VIRAL

Proteção contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses até 12 anos de idade.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Esquema vacinal: Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses e reforço entre 15 e 24 meses (intervalo mínimo de 3 meses entre as doses). Crianças a partir de 2 anos até 12 anos de idade: duas doses com intervalo de três meses.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea

HEPATITE A

A Proteção contra a hepatite causada pelo vírus A, que é transmitido por água e alimentos contaminados, principalmente em áreas endêmicas e com saneamento básico precário.

Indicação: Crianças a partir de 1 ano de idade, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Duas doses, sendo a segunda 6 meses após a primeira. A escolha da formulação pediátrica ou adulta dependerá da idade do paciente.

Possíveis reações: Raros (menos de 5%). Reações locais são as mais comuns, até 24 após a aplicação.

Via de aplicação: Intramuscular

Apresentações: Vacina Simples: Vacina Hepatite A adulto e pediátrico. Vacinas Combinadas: Vacina Hepatite A e B.

HPV

Protege contra as doenças causadas pelo papiloma vírus humano (HPV). Alguns tipos de HPV estão envolvidos no surgimento das verrugas genitais (ou condilomas) e outros tipos relacionam-se ao desenvolvimento de câncer genital (colo de útero, vulva, vagina, pênis, ânus). Praticamente todo câncer de colo de útero é causado por infecção pelo HPV.

Indicações: Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os HPVs dos tipos 6, 11, 16, 18, licenciada para meninas e mulheres de 9 a 45 anos e para meninos e homens de 9 a 26 anos de idade, e outra, contendo os HPVs dos tipos 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade. A vacinação de indivíduos previamente infectados e pessoas fora das faixas etárias de licenciamento é considerada segura e eficaz, ficando a critério médico o uso off label nesses casos.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), e gestação (pois não existem estudos de segurança).

Esquema vacinal: Para meninos e meninas de 9 a 14 anos, 2 doses com intervalo de 6 meses. A partir de 15 anos, 3 doses, sendo a segunda um ou dois meses após a primeira e a terceira seis meses após a primeira. Para pessoas portadoras do vírus HIV e imunodeprimidos, o esquema de 3 doses deve ser utilizado qualquer que seja a idade.

Possíveis reações: Dor local, vermelhidão, inchaço, prurido, febre.

Via de aplicação: Intramuscular

VARICELA

A varicela é uma doença infecciosa cujo sintoma característico é o aparecimento de pequenas bolhas que apresentam prurido importante, febre e sintomas gerais como náuseas e vômitos. A maioria das crianças tem entre 250 e 500 lesões, podendo chegar a 2000. Estas lesões formam crostas e permanecem por 1 a 2 semanas. Na criança saudável, a varicela é geralmente uma doença benigna, entretanto, podem ocorrer complicações infecciosas secundárias da pele e formas graves da doença.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses de idade, adolescentes e adultos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes, crianças menores de 9 meses, alergia grave a componentes da vacina ou a dose prévia da vacina (anafilaxia).

Esquema vacinal: Crianças de 12 meses até 2 anos: 2 doses, a primeira a partir dos 12 meses de idade e a segunda entre 15 e 24 meses de idade, respeitando-se intervalo mínimo de 3 meses. A aplicação a partir de 9 meses deve ser feita sob orientação médica e esta dose deve ser desconsiderada. Crianças maiores de 2 anos e menores de 13 anos: 2 doses, a segunda 3 meses após a primeira. Crianças maiores de 13 anos e adultos: 2 doses com intervalo mínimo de 1 mês entre elas.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema, pequeno número de vesículas na pele ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea


Adolescentes

FEBRE AMARELA

A febre Amarela é uma doença infecciosa transmitida por mosquito (Aedes aegypti) e ocorre exclusivamente na América Central, América do sul e na África.

Indicação: Rotina para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos em áreas endêmicas. Para controle de surto ou situação de alto risco, a vacinação de crianças com idade entre 6 e 8 meses pode ser considerada pelo médico; Para viajantes que se dirigem para áreas endêmicas ou em que estejam ocorrendo casos em humanos epizotias (casos em macacos) , a partir de 9 meses de idade; Há precauções especiais para a administração em indivíduos de 60 anos de idade ou mais, gestantes e pessoas com comprometimento imunológico (neste casos, cabe ao médico avaliar se o risco de doença é maior que o risco de eventos adversos graves).

Contraindicações: Mulheres amamentando até que seus bebês completem 6 meses de vida, imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade (anafilaxia) ao ovo, a qualquer componente da vacina ou após dose anterior de vacina contra a febre amarela.

Esquema de doses: Primeira dose aos 9 meses de idade e reforço aos 4 anos de idade. Crianças ou adolescentes que receberam apenas 1 dose antes dos 5 anos de idade, devem fazer o reforço independente da idade. Crianças ou adolescentes que receberam a primeira dose após os 5 anos de idade, não há necessidade de reforço.

Possíveis reações: Na maioria dos casos são reações locais, podendo também ocorrer dor de cabeça e mal-estar, em cerca de 2 a 4 % dos vacinados, com menor frequência em crianças. Reações graves (doença viscerotrópicia ou neurotrópica, anafilaxia) são raras: entre 2007 e 2012, no Brasil, aconteceram 0,2 caso de doença neurológica para cem mil vacinados(principalmente quando se tratava de primeira dose em idosos) e 0,04 caso de doença viscerotrópica em cem mil vacinados.

Via de aplicação: Subcutânea.

CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO E PROFILAXIA (CIVP): Para obter o CIVP, o indivíduo deverá ser vacinado no mínimo 10 dias antes de sua viagem para estar protegido contra a febre amarela.. A OMS alterou sua recomendação em 2013: basta comprovar pelo CIVP uma dose aplicada na vida.

HPV

Protege contra as doenças causadas pelo papiloma vírus humano (HPV). Alguns tipos de HPV estão envolvidos no surgimento das verrugas genitais (ou condilomas) e outros tipos relacionam-se ao desenvolvimento de câncer genital (colo de útero, vulva, vagina, pênis, ânus). Praticamente todo câncer de colo de útero é causado por infecção pelo HPV.

Indicações: Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os HPVs dos tipos 6, 11, 16, 18, licenciada para meninas e mulheres de 9 a 45 anos e para meninos e homens de 9 a 26 anos de idade, e outra, contendo os HPVs dos tipos 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade. A vacinação de indivíduos previamente infectados e pessoas fora das faixas etárias de licenciamento é considerada segura e eficaz, ficando a critério médico o uso off label nesses casos.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), e gestação (pois não existem estudos de segurança).

Esquema vacinal: • Para meninos e meninas de 9 a 14 anos, 2 doses com intervalo de 6 meses. • A partir de 15 anos, 3 doses, sendo a segunda um ou dois meses após a primeira e a terceira seis meses após a primeira. • Para pessoas portadoras do vírus HIV e imunodeprimidos, o esquema de 3 doses deve ser utilizado qualquer que seja a idade.

Possíveis reações: Dor local, vermelhidão, inchaço, prurido, febre.

Via de aplicação: Intramuscular

INFLUENZA

Proteção contra infecções causadas por vírus influenza (gripe) e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 6 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína de ovo.

Esquema vacinal: Crianças de 6 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,25 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Crianças de 3 a 8 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,5 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Adultos e crianças a partir de 9 anos: dose única anual de 0,5 ml.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação.

Via de aplicação: Intramuscular.

MENINGOCÓCICA ACWY

Proteção contra infecções graves causadas pelos meningococos tipo A, C, W e Y (meningite, meningococcemia).

Indicação: No Brasil, três vacinas meningocócicas conjugadas estão licenciadas para crianças: menACWY-TT (Nimenrix) a partir de 6 semanas de vida; menACWY-CRM (Menveo), a partir dos 2 meses de idade e menACWY-D (Menactra) a partir dos 9 meses de idade. As sociedades brasileiras de Imunizações e de Pediatria recomendam a vacina meningocócica ACWY preferencialmente no esquema de vacinação infantil (aos 3 e 5 meses de idade) com a menACWY-TT (Nimenrix) ou menACWY-CRM (Menveo), bem como para os três reforços: de 12 a 15 meses, dos 5 a 6 anos e aos 11 anos de idade (ou cinco anos após a última dose) , tendo em vista a queda dos títulos de anticorpos protetores. Crianças vacinadas com a Meningocócica C podem se beneficiar com o uso da vacina meningocócica ACWY, a fim de ampliar a proteção, respeitando-se um intervalo mínimo de um mês da última meningocócica C. menACWY-D (Menactra) dos 9 a 23 meses são em 2 doses com intervalo de 3 meses e a partir de 24 meses de idade, dose única.

Contraindicações: Apenas as comuns a todas as vacinas: alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Três doses no primeiro ano de vida (aos 3, 5 e 7 meses de idade), com doses de reforço entre 12-15 meses e aos 5 e 11 anos. Para adolescentes: duas doses com intervalo de 5 anos. Para adultos: dose única, mas outras doses de reforço poderão ser recomendadas a critério médico, a partir da análise de risco (epidemias, surtos etc.).

Possíveis reações: Dor local, calor, enduração, vermelhidão nas 24/72 horas seguintes à aplicação. Podem ocorrer febre e dor de cabeça.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE BACTERIANA

Proteção contra a difteria, tétano e coqueluche.

Indicação: Crianças a partir de 4 anos, adolescentes, adultos e idosos.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 7 dias após vacinação seguindo a imunização prévia de vacina com o componente pertussis (coqueluche).

Esquema vacinal: Crianças a partir de 4 anos de idade e adultos não vacinados com DTP, DTPa, dTpa ou dT ou com histórico vacinal desconhecido: três doses com intervalo de dois meses entre elas, sendo uma dose de dTpa (ou dTpa-VIP) e as seguintes com dT. A partir daí, reforços a cada 10 anos com dTpa ou dTpa-VIP. Na impossibilidade da vacina dT, todo o esquema pode ser feito com dTpa o dTpa-VIP. Gestantes devem receber uma dose de dTpa, a cada gestação, ​a partir da 20ª semana de gestação. ​Se não vacinadas durante a gravidez, devem receber uma dose após o parto​, o mais precocemente possível (de preferência ainda na maternidade). É indicado também que todos que terão contato com o bebê, estejam com a vacina contra coqueluche em dia, devido o risco de transmissão da doença para o bebê nos primeiros 6 meses de idade A vacina está recomendada mesmo para aqueles que tiveram coqueluche, já que a proteção conferida pela infecção não é permanente.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão local.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE VIRAL

Proteção contra sarampo, caxumba, rubéola e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Esquema vacinal: • Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses, e reforço entre 15 e 24 meses. • Crianças a partir de 2 anos de idade e adultos: duas doses com intervalo mínimo de 30 dias. A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante a gestação. Idealmente todo adulto deve ter a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida.

OBS: para mulheres em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 30 dias seguintes à vacinação.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea

VARICELA

A varicela é uma doença infecciosa cujo sintoma característico é o aparecimento de pequenas bolhas que apresentam prurido importante, febre e sintomas gerais como náuseas e vômitos. A maioria das crianças tem entre 250 e 500 lesões, podendo chegar a 2000. Estas lesões formam crostas e permanecem por 1 a 2 semanas. Na criança saudável, a varicela é geralmente uma doença benigna, entretanto, podem ocorrer complicações infecciosas secundárias da pele e formas graves da doença.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses de idade, adolescentes e adultos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes, crianças menores de 9 meses, alergia grave a componentes da vacina ou a dose prévia da vacina (anafilaxia).

Esquema vacinal: • Crianças de 12 meses até 2 anos: 2 doses, a primeira a partir dos 12 meses de idade e a segunda entre 15 e 24 meses de idade, respeitando-se intervalo mínimo de 3 meses. A aplicação a partir de 9 meses deve ser feita sob orientação médica e esta dose deve ser desconsiderada. • Crianças maiores de 2 anos e menores de 13 anos: 2 doses, a segunda 3 meses após a primeira. • Crianças maiores de 13 anos e adultos: 2 doses com intervalo mínimo de 1 mês entre elas.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema, pequeno número de vesículas na pele ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea

DENGUE

Prevenção da dengue causada pelos quatro sorotipos do vírus: DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4. A eficácia para a prevenção da doença é de 65,5%. Já a proteção contra dengue grave e hemorrágica fica em torno de 93%. A vacina também se mostrou eficiente na redução dos índices de internação em mais de 80% dos casos.

Indicação: Pessoas de 9 a 45 anos de idade, mediante apresentação de exame sorológico positivo para dengue.

Contraindicação: Pessoas soronegativas (que nunca foram infectadas pelos vírus da dengue); maiores de 45 anos ou menores de 9 anos de idade. Por se tratar de vacina atenuada (viva), é contraindicada em imunodeprimidos, gestantes e mulheres que estão amamentando.

Esquema vacinal: São necessárias três doses, com intervalo de seis meses entre elas.

Possíveis reações: Os estudos demonstraram um padrão de segurança muito bom. Não foram identificados eventos adversos graves na faixa etária para a qual a vacina está licenciada. A maioria das reações foram leves, de curta duração e reversíveis, independentemente da população estudada e da idade, semelhantes aos eventos possíveis após a aplicação rotineira de outras vacinas.

Via de aplicação: Subcutânea


Adultos

FEBRE AMARELA

A febre Amarela é uma doença infecciosa transmitida por mosquito (Aedes aegypti) e ocorre exclusivamente na América Central, América do sul e na África.

Indicação: Rotina para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos em áreas endêmicas. Para controle de surto ou situação de alto risco, a vacinação de crianças com idade entre 6 e 8 meses pode ser considerada pelo médico; Para viajantes que se dirigem para áreas endêmicas ou em que estejam ocorrendo casos em humanos epizotias (casos em macacos) , a partir de 9 meses de idade; Há precauções especiais para a administração em indivíduos de 60 anos de idade ou mais, gestantes e pessoas com comprometimento imunológico (neste casos, cabe ao médico avaliar se o risco de doença é maior que o risco de eventos adversos graves).

Contraindicações: Mulheres amamentando até que seus bebês completem 6 meses de vida, imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade (anafilaxia) ao ovo, a qualquer componente da vacina ou após dose anterior de vacina contra a febre amarela.

Esquema de doses: • Onde a vacinação é rotina, uma dose deve ser feita aos 9 meses. • Onde não é rotina, para aqueles que não receberam uma dose anteriormente, que vivem ou se dirigem para as áreas endêmicas, deve ser feita uma dose, considerada válida para toda a vida.

Possíveis reações: Na maioria dos casos são reações locais, podendo também ocorrer dor de cabeça e mal-estar, em cerca de 2 a 4 % dos vacinados, com menor frequência em crianças. Reações graves (doença viscerotrópicia ou neurotrópica, anafilaxia) são raras: entre 2007 e 2012, no Brasil, aconteceram 0,2 caso de doença neurológica para cem mil vacinados(principalmente quando se tratava de primeira dose em idosos) e 0,04 caso de doença viscerotrópica em cem mil vacinados.

Via de aplicação: Subcutânea.

CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO E PROFILAXIA (CIVP): Para obter o CIVP, o indivíduo deverá ser vacinado no mínimo 10 dias antes de sua viagem para estar protegido contra a febre amarela.. A OMS alterou sua recomendação em 2013: basta comprovar pelo CIVP uma dose aplicada na vida.

HPV

Protege contra as doenças causadas pelo papiloma vírus humano (HPV). Alguns tipos de HPV estão envolvidos no surgimento das verrugas genitais (ou condilomas) e outros tipos relacionam-se ao desenvolvimento de câncer genital (colo de útero, vulva, vagina, pênis, ânus). Praticamente todo câncer de colo de útero é causado por infecção pelo HPV.

Indicações: Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os HPVs dos tipos 6, 11, 16, 18, licenciada para meninas e mulheres de 9 a 45 anos e para meninos e homens de 9 a 26 anos de idade, e outra, contendo os HPVs dos tipos 16 e 18, licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade. A vacinação de indivíduos previamente infectados e pessoas fora das faixas etárias de licenciamento é considerada segura e eficaz, ficando a critério médico o uso off label nesses casos.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), e gestação (pois não existem estudos de segurança).

Esquema vacinal: • Para meninos e meninas de 9 a 14 anos, 2 doses com intervalo de 6 meses. • A partir de 15 anos, 3 doses, sendo a segunda um ou dois meses após a primeira e a terceira seis meses após a primeira. • Para pessoas portadoras do vírus HIV e imunodeprimidos, o esquema de 3 doses deve ser utilizado qualquer que seja a idade.

Possíveis reações: Dor local, vermelhidão, inchaço, prurido, febre.

Via de aplicação: Intramuscular

INFLUENZA

Proteção contra infecções causadas por vírus influenza (gripe) e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 6 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína de ovo.

Esquema vacinal: Crianças de 6 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,25 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Crianças de 3 a 8 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,5 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Adultos e crianças a partir de 9 anos: dose única anual de 0,5 ml.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação.

Via de aplicação: Intramuscular.

MENINGOCÓCICA ACWY

Proteção contra infecções graves causadas pelos meningococos tipo A, C, W e Y (meningite, meningococcemia).

Indicação: Existem duas vacinas, uma licenciada a partir de 1 ano de idade e outra a partir de 2 meses de idade. As sociedades brasileiras de Imunizações e de Pediatria recomendam vacina meningocócica ACWY preferencialmente no esquema de vacinação infantil (aos 3, 5 e 7 meses), bem como para os três reforços: de 12 a 15 meses, aos 5 anos e aos 11 anos de idade. É também a vacina preferencial para a imunização de adolescentes e adultos.

Contraindicações: Apenas as comuns a todas as vacinas: alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Três doses no primeiro ano de vida (aos 3, 5 e 7 meses de idade), com doses de reforço entre 12-15 meses e aos 5 e 11 anos. Para adolescentes: duas doses com intervalo de 5 anos. Para adultos: dose única, mas outras doses de reforço poderão ser recomendadas a critério médico, a partir da análise de risco (epidemias, surtos etc.).

Possíveis reações: Dor local, calor, enduração, vermelhidão nas 24/72 horas seguintes à aplicação. Podem ocorrer febre e dor de cabeça.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE BACTERIANA

Proteção contra a difteria, tétano e coqueluche.

Indicação: Crianças a partir de 4 anos, adolescentes, adultos e idosos.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 7 dias após vacinação seguindo a imunização prévia de vacina com o componente pertussis (coqueluche).

Esquema vacinal: Crianças a partir de 4 anos de idade e adultos não vacinados com DTP, DTPa, dTpa ou dT ou com histórico vacinal desconhecido: três doses com intervalo de dois meses entre elas, sendo uma dose de dTpa (ou dTpa-VIP) e as seguintes com dT. A partir daí, reforços a cada 10 anos com dTpa ou dTpa-VIP. Na impossbilidade da vacina dT, todo o esquema pode ser feito com dTpa o dTpa-VIP. Na impossbilidade da vacina dT, todo o esquema pode ser feito com dTpa o dTpa-VIP. Gestante é recomendado uma dose em toda gestação, a partir da 20ª semana, preferencialmente entre a 27ª e a 32ª semana.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão local.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE VIRAL

Proteção contra sarampo, caxumba, rubéola e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Esquema vacinal: • Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses, e reforço entre 15 e 24 meses. • Crianças a partir de 2 anos de idade e adultos: duas doses com intervalo mínimo de 30 dias. A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante a gestação. Idealmente todo adulto deve ter a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida.

OBS: para mulheres em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 30 dias seguintes à vacinação.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea

VARICELA

A varicela é uma doença infecciosa cujo sintoma característico é o aparecimento de pequenas bolhas que apresentam prurido importante, febre e sintomas gerais como náuseas e vômitos. A maioria das crianças tem entre 250 e 500 lesões, podendo chegar a 2000. Estas lesões formam crostas e permanecem por 1 a 2 semanas. Na criança saudável, a varicela é geralmente uma doença benigna, entretanto, podem ocorrer complicações infecciosas secundárias da pele e formas graves da doença.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses de idade, adolescentes e adultos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes, crianças menores de 9 meses, alergia grave a componentes da vacina ou a dose prévia da vacina (anafilaxia).

Esquema vacinal: • Crianças de 12 meses até 2 anos: 2 doses, a primeira a partir dos 12 meses de idade e a segunda entre 15 e 24 meses de idade, respeitando-se intervalo mínimo de 3 meses. A aplicação a partir de 9 meses deve ser feita sob orientação médica e esta dose deve ser desconsiderada. • Crianças maiores de 2 anos e menores de 13 anos: 2 doses, a segunda 3 meses após a primeira. • Crianças maiores de 13 anos e adultos: 2 doses com intervalo mínimo de 1 mês entre elas.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema, pequeno número de vesículas na pele ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea

DENGUE

Prevenção da dengue causada pelos quatro sorotipos do vírus: DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4. A eficácia para a prevenção da doença é de 65,5%. Já a proteção contra dengue grave e hemorrágica fica em torno de 93%. A vacina também se mostrou eficiente na redução dos índices de internação em mais de 80% dos casos.

Indicação: Pessoas de 9 a 45 anos de idade, mediante apresentação de exame sorológico positivo para dengue.

Contraindicação: Pessoas soronegativas (que nunca foram infectadas pelos vírus da dengue); maiores de 45 anos ou menores de 9 anos de idade. Por se tratar de vacina atenuada (viva), é contraindicada em imunodeprimidos, gestantes e mulheres que estão amamentando.

Esquema vacinal: São necessárias três doses, com intervalo de seis meses entre elas.

Possíveis reações: Os estudos demonstraram um padrão de segurança muito bom. Não foram identificados eventos adversos graves na faixa etária para a qual a vacina está licenciada. A maioria das reações foram leves, de curta duração e reversíveis, independentemente da população estudada e da idade, semelhantes aos eventos possíveis após a aplicação rotineira de outras vacinas.

Via de aplicação: Subcutânea

HEPATITE A+B

Proteção contra as hepatites causadas pelo vírus A e pelo vírus B.

Indicação: Crianças a partir de 1 ano, adultos e idosos não vacinados anteriormente contra as duas hepatites.

Contraindicações: Alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: • Crianças de 1 ano até 15 anos de idade (inclusive). Com a vacina adulto - duas doses, sendo a segunda seis meses após a primeira. • A partir de 16 anos, adultos e idosos: três doses da vacina do adulto, sendo a segunda um mês após a primeira, e a terceira seis meses após a primeira.

Possíveis reações: Raros (menos de 5%). Reações locais são as mais comuns, até 24 após a aplicação.

Via de aplicação: Intramuscular.

PNEUMOCÓCICA

A vacina pneumocócica conjugada também conhecida como Prevenar 13 valente conjugada protege contra doenças pneumocócicas causadas pelo Streptococcus pneumonia e ou pneumococo. Essa bactéria é uma das principais causas de doenças importantes como: Meningite, pneumonia, septicemia, otite média e sinusite. Qualquer pessoa pode contrair as doenças pneumocócicas em qualquer idade.

Indicação: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes, adultos e idosos.

Esquema vacinal: Vacinação infantil de rotina, 04 doses: aos 2,4,6 meses de vida e reforço entre 12 e 15 meses; Para crianças entre 1 e 2 anos e não vacinadas: duas doses com intervalos de dois meses; Crianças entre 2 e 5 anos portadoras de doenças crônicas que justifiquem, pode ser necessário complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23).

Possíveis reações: Dor, vermelhidão e enduração local. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade.

Via de aplicação: Intramuscular


Idosos

HERPES ZÓSTER

A vacina protege contra o herpes zoster, popularmente conhecido como “cobreiro”, e sua principal complicação, a neuropatia pós-herpética, responsável por dor crônica, prolongada, de difícil controle e extremamente debilitante.

Indicação: A vacina está licenciada para pessoas com 50 anos ou mais e deve ser recomendada de rotina a partir de 60 anos de idade.

Contraindicações: Pessoas imunodeprimidas; Alergia grave (anafilaxia) a algum dos componentes da vacina; Pessoas com tuberculose ativa não tratada; Gestantes; Pessoas com história de herpes zoster oftálmico (no olho), pois ainda não dispomos de dados suficientes para indicar a vacina herpes zoster neste caso específico.

Esquema vacinal: Dose única.

Possíveis reações: Febre, dor local.

Via de aplicação: Subcutânea

FEBRE AMARELA

A febre Amarela é uma doença infecciosa transmitida por mosquito (Aedes aegypti) e ocorre exclusivamente na América Central, América do sul e na África.

Indicação: Rotina para crianças a partir de 9 meses de idade, adolescentes e adultos em áreas endêmicas. Para controle de surto ou situação de alto risco, a vacinação de crianças com idade entre 6 e 8 meses pode ser considerada pelo médico; Para viajantes que se dirigem para áreas endêmicas ou em que estejam ocorrendo casos em humanos epizotias (casos em macacos) , a partir de 9 meses de idade; Há precauções especiais para a administração em indivíduos de 60 anos de idade ou mais, gestantes e pessoas com comprometimento imunológico (neste casos, cabe ao médico avaliar se o risco de doença é maior que o risco de eventos adversos graves).

Contraindicações: Mulheres amamentando até que seus bebês completem 6 meses de vida, imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade (anafilaxia) ao ovo, a qualquer componente da vacina ou após dose anterior de vacina contra a febre amarela.

Esquema de doses: • Onde a vacinação é rotina, uma dose deve ser feita aos 9 meses. • Onde não é rotina, para aqueles que não receberam uma dose anteriormente, que vivem ou se dirigem para as áreas endêmicas, deve ser feita uma dose, considerada válida para toda a vida.

Possíveis reações: Na maioria dos casos são reações locais, podendo também ocorrer dor de cabeça e mal-estar, em cerca de 2 a 4 % dos vacinados, com menor frequência em crianças. Reações graves (doença viscerotrópicia ou neurotrópica, anafilaxia) são raras: entre 2007 e 2012, no Brasil, aconteceram 0,2 caso de doença neurológica para cem mil vacinados(principalmente quando se tratava de primeira dose em idosos) e 0,04 caso de doença viscerotrópica em cem mil vacinados.

Via de aplicação: Subcutânea.

CERTIFICADO INTERNACIONAL DE VACINAÇÃO E PROFILAXIA (CIVP): Para obter o CIVP, o indivíduo deverá ser vacinado no mínimo 10 dias antes de sua viagem para estar protegido contra a febre amarela.. A OMS alterou sua recomendação em 2013: basta comprovar pelo CIVP uma dose aplicada na vida.

HEPATITE A+B

Proteção contra as hepatites causadas pelo vírus A e pelo vírus B.

Indicação: Crianças a partir de 1 ano, adultos e idosos não vacinados anteriormente contra as duas hepatites.

Contraindicações: Alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: • Crianças de 1 ano até 15 anos de idade (inclusive). Com a vacina adulto - duas doses, sendo a segunda seis meses após a primeira. • A partir de 16 anos, adultos e idosos: três doses da vacina do adulto, sendo a segunda um mês após a primeira, e a terceira seis meses após a primeira.

Possíveis reações: Raros (menos de 5%). Reações locais são as mais comuns, até 24 após a aplicação.

Via de aplicação: Intramuscular.

INFLUENZA

Proteção contra infecções causadas por vírus influenza (gripe) e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 6 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína de ovo.

Esquema vacinal: Crianças de 6 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,25 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Crianças de 3 a 8 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,5 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais. Adultos e crianças a partir de 9 anos: dose única anual de 0,5 ml.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação.

Via de aplicação: Intramuscular.

MENINGOCÓCICA ACWY

Proteção contra infecções graves causadas pelos meningococos tipo A, C, W e Y (meningite, meningococcemia).

Indicação: Existem duas vacinas, uma licenciada a partir de 1 ano de idade e outra a partir de 2 meses de idade. As sociedades brasileiras de Imunizações e de Pediatria recomendam vacina meningocócica ACWY preferencialmente no esquema de vacinação infantil (aos 3, 5 e 7 meses), bem como para os três reforços: de 12 a 15 meses, aos 5 anos e aos 11 anos de idade. É também a vacina preferencial para a imunização de adolescentes e adultos.

Contraindicações: Apenas as comuns a todas as vacinas: alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: Três doses no primeiro ano de vida (aos 3, 5 e 7 meses de idade), com doses de reforço entre 12-15 meses e aos 5 e 11 anos. Para adolescentes: duas doses com intervalo de 5 anos. Para adultos: dose única, mas outras doses de reforço poderão ser recomendadas a critério médico, a partir da análise de risco (epidemias, surtos etc.).

Possíveis reações: Dor local, calor, enduração, vermelhidão nas 24/72 horas seguintes à aplicação. Podem ocorrer febre e dor de cabeça.

Via de aplicação: Intramuscular.

PNEUMOCÓCICA 13V

A vacina pneumocócica conjugada também conhecida como Prevenar 13 valente conjugada protege contra doenças pneumocócicas causadas pelo Streptococcus pneumonia e ou pneumococo. Essa bactéria é uma das principais causas de doenças importantes como: Meningite, pneumonia, septicemia, otite média e sinusite. Qualquer pessoa pode contrair as doenças pneumocócicas em qualquer idade.

Indicação: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes, adultos e idosos.

Esquema vacinal: Vacinação infantil de rotina, 04 doses: aos 2,4,6 meses de vida e reforço entre 12 e 15 meses; Para crianças entre 1 e 2 anos e não vacinadas: duas doses com intervalos de dois meses; Crianças entre 2 e 5 anos portadoras de doenças crônicas que justifiquem, pode ser necessário complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23).

Possíveis reações: Dor, vermelhidão e enduração local. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade.

Via de aplicação: Intramuscular

PNEUMOCÓCICA 23V

Proteção contra a infecção pelo pneumococo.

Indicação: Indicada para pacientes a partir de 2 anos de idade com doença de base que os coloquem em risco para a doença (diabetes, cardio e pneumopatias, esplenectomizados, etc.) e idosos. Não é vacina recomendada para imunização básica de crianças. Deve ser considerada como rotina para maiores de 60 anos.

Contraindicações: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina.

Esquema vacinal: • Para crianças, somente a partir dos 2 anos de idade em dose única. Sob orientação médica, pode ser indicado APENAS UM reforço após 5 anos. • Para pessoas a partir de 60 anos e pacientes de qualquer idade portadores de doenças crônicas de maior suscetibilidade para a doença pneumocócica: o esquema deve ser iniciado com uma dose da vacina 13-valente seguida de uma da vacina 23-valente seis meses depois e uma segunda dose da vacina 23-valente após cinco anos da primeira.

Possíveis reações: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver febre.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE BACTERIANA

Proteção contra a difteria, tétano e coqueluche.

Indicação: Crianças a partir de 4 anos, adolescentes, adultos e idosos.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 7 dias após vacinação seguindo a imunização prévia de vacina com o componente pertussis (coqueluche).

Esquema vacinal: Crianças a partir de 4 anos de idade e adultos não vacinados com DTP, DTPa, dTpa ou dT ou com histórico vacinal desconhecido: três doses com intervalo de dois meses entre elas, sendo uma dose de dTpa (ou dTpa-VIP) e as seguintes com dT. A partir daí, reforços a cada 10 anos com dTpa ou dTpa-VIP. Na impossbilidade da vacina dT, todo o esquema pode ser feito com dTpa o dTpa-VIP. Crianças a partir de 4 anos e adultos com esquema vacinal incompleto: completar o esquema com uma ou duas doses, sendo uma só dose com dTpa ou dTpa-VIP e as demais com dT. Na impossbilidade da vacina dT, todo o esquema pode ser feito com dTpa o dTpa-VIP. Crianças a partir de 4 anos e adultos com esquema primário de três doses completo: reforços de 10 em 10 anos com uma dose de dTpa ou dTpa-VIP. Gestante é recomendado uma dose em toda gestação, a partir da 20ª semana, preferencialmente entre a 27ª e a 32ª semana.

Possíveis reações: Febre, dor e vermelhidão local.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE VIRAL

Proteção contra sarampo, caxumba, rubéola e suas complicações.

Indicação: Crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Esquema vacinal: • Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses, e reforço entre 15 e 24 meses. • Crianças a partir de 2 anos de idade e adultos: duas doses com intervalo mínimo de 30 dias. A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante a gestação. Idealmente todo adulto deve ter a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida.

OBS: para mulheres em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 30 dias seguintes à vacinação.

Possíveis reações: Raros, mas quadro febril com ou sem exantema ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea

Scroll Up